Animitas (Chile)

Esse é o post mais antigo da nossa viagem pela América do Sul. E eu o guardei porque queria publicá-lo com carinho, mas passou tanto tempo e agora eu quero falar sobre o que me moveu a fotografá-las.

As animitas são as homenagens que os chilenos crentes fazem para pessoas que faleceram em espaço público. Há animitas na beira das estradas e dentro das cidades. Famílias homenageam seus entes queridos no local de sua morte, colegas de trabalhos homenageam falecidos em acidentes nas minas. Com o tempo, algumas dessas animitas viram verdadeiros lugares de adoração, mausoléus, crescendo em tamanho, em objetos ofertados, com objetos de valor afetivo de quem passa e o oferece e também em importância para quem crê.

Animita é o diminutivo de alma, em espanhol, anima. A cultura dita que a pessoa que morreu de maneira trágica, fica com a alma presa na Terra, mas tem uma conexão com o divino, razão pela qual fazer pedidos, deixar presentes e agradecimentos faz todo sentido. Continue reading “Animitas (Chile)”

A Região dos Yungas na Bolívia – Parte 2

Nossa segunda visita a região dos Yungas foi feita num carro alugado. Alugar um carro na Bolívia é caríssimo e o preço triplica se houver intenção de ir com o carro para outras regiões. Nosso plano inicial era usar o carro para buscar uma amiga no aeroporto de Santa Cruz, mas desistimos quando vimos o preço, daria para pagar meses de aluguel de um apartamento num bairro central em La Paz. Andar de carro na Bolívia é uma aventura que começa na hora de assinar o contrato com a locadora (dica: leia cada cláusula com atenção e exija que tudo que for discutido com o vendedor esteja escrito no contrato). As estradas têm péssimo estado. Os bloqueios às estradas acontecem com bastante frequência e inesperadamente. Os policiais bolivianos merecem um post só para eles. E tem, claro, a cultura de automobilística local, que era completamente estrangeira para a gente.

Não lembro quantos dias viajamos por aqui. A estrada era lenta, tortuosa e poerenta. Janelas abertas porque o calor só vencia quando o carro estava em movimento. Outros carros passavam e comíamos poeira. Muita poeira. Continue reading “A Região dos Yungas na Bolívia – Parte 2”

Santiago de Okola (Bolívia)

Titicaca e o cachorro do nosso guia

É uma pena que não escrevi antes sobre Santiago de Okola, porque tenho certeza que alguns detalhes me escapam. Mas se fosse escrever esse post 4 anos atrás, ele teria sido mais ingênuo, menos consciente.

A pequena comunidade de Santiago de Okola é extremamente pitoresca, à beira do Titicaca boliviano. Produzem seu próprio alimento, com cada família sendo responsável por uma parte da produção (batatas e outros tubérculos, quinoa e outros cereais, porcos, ovelhas, patos, eles produzem produtos têxteis também, a partir da lã das ovelhas que criam). Queria sentir a vida andina sem os inevitáveis filtros para turistas, queria a experiência de morar à beira do Titicaca, de entender plenamente como vivem os locais. Ambiciosamente, queria me sentir local. Talvez esse seja um dos meus maiores amadurecimentos ao longo dos anos que se seguiram à nossa experiência pela América do Sul. Esse anseio impossível por sentir como o outro se sente sem sê-lo. Sem a língua, a cultura, as experiências, a perspectiva.  Continue reading “Santiago de Okola (Bolívia)”

Maya!

elaine_santana_maya-4809
Rodrigo fazendo pele a pele (essencial para o desenvolvimento do prematuro) no dia seguinte à alta. Junho/2013. Foto: Elaine Santana

Faz um pouco mais de um ano que escrevi sobre o Dia de Los Muertos na Bolívia.

Aquele foi nosso último dia de Bolívia: viajávamos em direção ao Peru. A linda festa dos mortos. Chorei com o acolhimento de uma família, no Cemitério Geral em La Paz, um senhor me explicando o sentido de cada uma das oferendas. Estava explodindo de emoções naquela semana, a vida à flor da pele, sentindo tudo, intensamente… Naquele momento, nem imaginava que já crescia dentro de mim a Maya. Ela me pedia descanso, repouso, introspecção, mas eu tinha planos profissionais: algumas sessões de fotos de um trabalho que fiz para uma ONG Boliviana.

Nunca foi minha intenção ficar tanto tempo sem escrever aqui no blog, mas nossa vida foi mudando rapidamente, e estávamos sempre tão ocupados que acabei não contando da gravidez. Tantas histórias, tantos textos por escrever, as fotos já editadas, só esperando publicação, e eu querendo seguir a ordem cronológica da viagem, contar da Bolívia e depois contar da chegada ao Peru, que foi quando comecei a desconfiar da gravidez (num barco, no lago Titicaca, voltando para Puno), do momento que a certeza começou a se instalar (no trem, acompanhada de um amigo nova iorquino, indo em direção a Águas Calientes). Queria dividir os momentos belos, como o que tive no ônibus em direção a Machu Picchu: me emocionei pensando no mundão que apresentaria para o serzinho que crescia dentro de mim. Continue reading “Maya!”

Nossa Primeira Ida a Região dos Yungas

elaine_santana_caranavi-1151

 

Nossa primeira visita a região dos Yungas aconteceu com R, um inventor estadunidense que vive faz mais de 30 anos na Bolívia. Para mim, a viagem foi horrível. Rodrigo não achou que foi tão péssimo e até chegou a se divertir.

Com um prazo de pauta para entregar no fim daquele dia, topei a ida com a certeza de que faríamos como havia nos dito R: chegando na cidade de Coroico, que fica a duas horas de La Paz, encontraríamos um hotel onde eu pudesse sentar e escrever.

Eu também havia me comprometido a produzir um pequeno vídeo para promover a nova invenção de R, um motor movido a água, e esta era a razão principal pela qual eu estava embarcando nesta viagem.

Quando nos encontramos pela manhã, na porta do prédio onde estávamos morando, R me disse que tinha “resolvido deixar o motor em casa,  mas iria procurar um rio adequado para testá-lo e produzir o vídeo no futuro”.

Tive um momento de dúvida: Será que eu devo ir? Acabei resolvendo que sim, já que R fazia aniversário naquela semana e também queria comemorar conosco nesta viagem.

De táxi fomos até El Alto, a cidade acima de La Paz, de onde sai uma parte do transporte para diferentes lugares na Bolívia, e de lá pegamos uma van em direção a Coroico. O motorista, um ‘kamikaze‘ que fazia as curvas da estrada perigosíssima como se estivesse numa competição automobilística, assustou os passageiros. Mas a bem da verdade, eu tinha trabalhado até 5 da manhã e as curvas, e a velocidade com que eram feitas, me deram sono e dormi a maior parte do caminho. Só em Coroico fui informada que alguém pediu encarecidamente para o motorista diminuir a velocidade ‘antes que nos matasse a todos’.

 

elaine_santana_caranavi-1135

 

Chegando na pequena cidade, fomos tomar um café da manhã. O combinado seria dali rumar para um hotel que R havia descrito como idílico e maravilhoso. Em poucos minutos tínhamos feito nossos pedidos e ele levantou-se para atender o celular longe de nosso pequeno grupo (eu, Rodrigo e Dana, uma voluntária que havia acabado de chegar à Bolívia para trabalhar com crianças surdas numa escola em La Paz). Passado algum tempo e muitas ligações, ficou claro que, de La Paz, era a esposa de R quem buscava uma acomodação para nós 4, e que não havia nada muito certo.

Depois de inúteis tentativas da esposa para nos hospedar naquela noite (alguns lugares estavam lotados, outros eram caros demais), R sugeriu um hotel perto do rio Coroico, ao qual chegaríamos de táxi. Vinte minutos mais tarde, estavámos na porta de uma chácara onde funcionava apenas um restaurante e uma piscina suja para quem quisesse ‘passar o dia’. Nenhuma hospedagem.

A próxima sugestão foi irmos até uma ‘cidadezinha próxima, onde o clima é menos frio, mas a cultura ainda é andina’. Aparentemente, nos arredores da cidade produzia-se muitas das frutas, verduras e legumes que abastecem La Paz e, segundo R, seria bem interessante para eu fotografar. E o rio, ah o rio dali seria maravilhoso para testar o motor. Neste momento, cogitei voltar para La Paz, mas movida ainda por um espírito de aventura e a vaga ideia de que o dia terminaria bem, afinal de contas, concordei.

 

elaine_santana_caranavi-1136

 

Continue reading “Nossa Primeira Ida a Região dos Yungas”

Bar Secreto e Valle de la Luna – La Paz

elaine_santana_bar_bizarro_bolívia-1084

 

Primeiro fomos num show beneficente de uma banda cujos membros fazem trabalho social envolvendo crianças moradoras de rua  em El Alto, a cidade acima de La Paz, a capital aymara. De lá, Dimelza, uma paceña que faz seu mestrado em direito  na Espanha, nos levou num bar chamado Secreto. O bar ficava numa casa sem placas ou sinalizações. Decorado com um milhão de badulaques, à meia luz, foi talvez o lugar mais ‘cool’ que fomos enquanto estavámos morando em La Paz. Sob denúncia, o bar foi fechado pouco tempo depois.

Naquela noite, conversamos sobre a experiência de sermos expatriados e a relação com nossas cidades natais quando retornamos a elas depois de um tempo perambulando por outros lugares, como mudamos nós e a cidade passa a não caber mais nas nossas expectativas, novas perspectivas, novos olhares. Para Dimelza, voltar para La Paz era dar de cara com coisas que ela considera ridículas e outras que sente saudades. Talvez bem parecida com a minha relação com São Paulo, de amor e ódio, de reconhecimento e rejeição.

 

elaine_santana_bar_bizarro_bolívia-1072elaine_santana_bar_bizarro_bolívia-1078elaine_santana_bar_bizarro_bolívia-1081

 

Na tarde seguinte, fomos (eu e o Rodrigo) de  táxi até a Zona Sur, a região novo-rico de La Paz e Dimelza nos levou em seu velho carro para o mais turístico dos passeios de quem visita a cidade: o Valle de la Luna. Embora a paisagem esteja presente em outras partes da cidade, aqui as montanhas de argila, em pleno processo de erosão e muitas delas em decomposição, podem ser vistas de perto.

Depois Dimelza nos levou para conhecer a região do vale da Zona Sur.  Carly, que nos acompanhava também nesta excursão, comentava sobre os químicos presentes na água de La Paz, e o quanto que as frutas, verduras e legumes, que são regadas com esta água, também são contaminadas. 

  • Valle de la Luna - La Paz Valle de la Luna - La Paz
  • Valle de la Luna - La Paz Valle de la Luna - La Paz
  • Valle de la Luna - La Paz Valle de la Luna - La Paz
  • Valle de la Luna - La Paz Valle de la Luna - La Paz
  • Valle de la Luna - La Paz Valle de la Luna - La Paz
  • Valle de la Luna - La Paz Valle de la Luna - La Paz
  • Valle de la Luna - La Paz Valle de la Luna - La Paz
  • Valle de la Luna - La Paz Valle de la Luna - La Paz
  • Valle de la Luna - La Paz Valle de la Luna - La Paz
  • Valle de la Luna - La Paz Valle de la Luna - La Paz
{image.index}/{image.total}

Dia de los Muertos – Uma Incursão Antropológica

Na Bolívia, assim como no Brasil, a celebração acontece dia 2 de Novembro. Também chamado de Dia de los Difuntos e para os católicos, Dia de Todos los Santos.

Na semana que antecedeu o feriado, eu fazia uma série de vídeos e entrevistas em La Paz para um documentário que envolve a manufatura de roupas de lã de alpaca e ovelha por mulheres andinas de origem indígena. Tive dificuldades para entrevistar as mulheres porque, além da tradicional timidez andina, elas estavam ocupadas fazendo os pães que seriam oferecidos para os mortos. Na verdade, eu passei a semana inteira ouvindo que as mulheres não podiam me encontrar “porque estavam fazendo pão”. Só no fim da semana que fui entender o ritual. Continue reading “Dia de los Muertos – Uma Incursão Antropológica”

Dia de los Muertos

Hoje é nosso último dia aqui na Bolívia, nosso último dia de visto válido e temos que sair. Nosso plano é voltar em janeiro e passar mais três meses por aqui.

Hoje também é o dia de los muertos. Fui com um grupo de amigos daqui ao cemitério geral de La Paz. O dia dos mortos é o dia de celebrar os mortos que se foram. Não parece em nada um dia triste e além de mim, não vi mais ninguém chorando. Música, oferendas, comida, bebidas e flores, muitas, muitas flores.

Um senhor, me vendo fotografar as oferendas de sua família, que estavam no chão (frutas, biscoitos, pipocas, e t’antawawa – pão feito em forma de pessoa) começou a me explicar as tradições, as oferendas. Depois nos deu parte das oferendas. Queria Continue reading “Dia de los Muertos”

Putre, Parque Nacional Lauca e Salar Surire

 

Comecei a escrever este post quando ainda estava em Putre, o pequeno e charmoso vilarejo onde nos hospedamos para conhecer a região que faz fronteira com o Peru e a Bolívia, no extremo norte do Chile. Da janela do quarto do hotel, me distraí do que escrevia, assistindo 3 meninas pastoreando ovelhas. A mais nova, de cabelos curtos e camiseta rosa choque, devia ter uns 5 anos. A mais velha não parecia ter mais do que 12, tinha os cabelos compridos presos num rabo de cavalo. Entraram no terreno e, enquanto as ovelhas pastavam, elas corriam entre as arbustos. A paisagem era bucólica: esqueci-me também da dor de cabeça e falta de ar causadas pela altitude de mais de 3500 metros e, por quase uma hora, fiquei assistindo às meninas trabalhando e brincando.

A maioria das pessoas com quem converso jamais ouviu falar em Putre. Eu mesma, só soube da existência do povoado quando estava em Santiago, em Junho. Nossa anfitriã, com um mapa do Chile aberto sobre a mesa de centro da sala, informava que a região era linda, imperdível e quase massivamente ignorada pelos turistas que, rumo ao Peru ou a Bolívia, chegam a Arica, a última cidade no litoral chileno antes de cruzar a fronteira. Continue reading “Putre, Parque Nacional Lauca e Salar Surire”

Potluck em La Paz

 

Fazer amigos numa cidade nova, num país estrangeiro, é sempre uma loteria. Aqui em La Paz, sinto que tivemos sorte, conhecendo gente que abriu as portas das suas casas depois de termos trocado poucas palavras, baseando-se mais na intuição do que em fatos. Se descobri tanto sobre a cidade, sobre a Bolívia, nestes quase dois meses vivendo aqui, devo isto a estas pessoas maravilhosas que nos acolheram.

Algumas semanas atrás, fomos convidados para um potluck com direito a vinho, cerveja, chá, balinhas de gengibre, celebração de aniversário, novas amizades e conversas até alta madrugada. Tudo isto a 3600 metros de altitude, na Zona Sur, a região nobre aqui da cidade.

Potluck é um encontro, uma festa Continue reading “Potluck em La Paz”

Oficina Santa Laura ou Um Pouquinho de História Não Faz Mal a Ninguém

Vende el “huasito” sus vacas,
sus caballos ensillados
porque dicen que en el Norte
ganan plata a puñados.
P’al Norte me voy, me voy
p’al Norte calichero
donde seré un caballero,
de bastón y de “tongoy”.
Canción popular en la época de los enganches*.

A Oficina Salitreira Santa Laura fica a 47 quilômetros de Iquique na região de Tarapacá, no norte do Chile. Oficina salitreira é o nome que recebiam os diferentes centros de exploração que processavam salitre na região que hoje pertence ao Chile.

Nesta região, o sol brilha sempre, incansável. É difícil mesmo encontrar uma sombra durante o dia. Mas assim que o sol se põe, o frio se instala e só vai embora quando o sol aparece novamente no dia seguinte.

Para visitar a oficina, dá para contratar um passeio turístico, mas fomos até lá por conta própria, no carro caindo aos pedaços que tínhamos alugado por uns dias. Avistamos a oficina de longe cercada pelo deserto incandescente. Continue reading “Oficina Santa Laura ou Um Pouquinho de História Não Faz Mal a Ninguém”

Iquique e a região de Tarapacá

Acampando no Parque Nacional Pampa de Tamarugal, uma das nossas noites mais frias.

O relógio mostrava 5:50 da manhã. La Tirana, a principal festa da região, começava naquele dia. Não tínhamos feito reserva em nenhum hotel e todos os números que chamávamos nos informavam que não havia vagas. Tínhamos dormido duas noites no carro em San Pedro de Atacama, o calor e poeira do deserto tinham deixado meu corpo ressecado e sujo e eu ansiava por um banho quente. Sentamos irritados no banco frio da rodoviária, pensando em alugar um carro, mas a loja só abria às 9. A rodoviária oferecia banho ‘sin calefont‘, ou seja, frio. Decidi esperar por uma solução mais conveniente. Continue reading “Iquique e a região de Tarapacá”

San Pedro de Atacama

Estrada de Machuca, San Pedro de Atacama

Sempre imaginamos que San Pedro de Atacama seria um lugar extremamente turístico. Cada um dos viajantes que conhecemos estava a caminho deste lugar.

Talvez, no entanto, não estivéssemos preparados para o que encontramos. Talvez tenham sido os dias passados em companhias agradáveis e despretensiosas em Huasco. Talvez sejamos nós, em nossa tentativa de vivenciar o autêntico e procurar experiências únicas que não tenham sido pré-empacotadas para nossa apreciação (e comodidade).

A região de San Pedro é impressionante e assistimos toda a imensidão inspiradora do lugar de queixo caído, coração palpitante e exclamações de admiração, mas para conseguir fugir dos pacotes pasteurizados das agências de turismo, tivemos que gastar um bom dinheiro. Continue reading “San Pedro de Atacama”

Carrizal Bajo

Depois de passar uns dias no Valle del Huasco, conhecendo a região e pesquisando para o artigo sobre mineração, seguimos pela Ruta 5, a principal rodovia aqui no Chile (que corta o país de norte a sul), para um pequeno vilarejo na costa chamado Carrizal Bajo.

Uma amiga, brincando, nos disse que o lugar deveria se chamar Bizarro Bajo, porque era estranho. Fomos ver com nossos próprios olhos.

Chegamos à noite, e rapidamente encontramos uma hospedagem barata no andar superior de um restaurante onde homens comiam e conversavam tomando vinho barato. Para pagar menos, aceitamos um quarto com uma cama de solteiro, o banheiro ficava em outro quarto, desocupado. E uma varanda com vista para o mar. Continue reading “Carrizal Bajo”

Abstrações Mineiras

  • elaine_santana_minas_gerais-7429 elaine_santana_minas_gerais-7429
  • elaine_santana_minas_gerais-6947 elaine_santana_minas_gerais-6947
  • elaine_santana_minas_gerais-7000 elaine_santana_minas_gerais-7000
  • elaine_santana_minas_gerais-6932 elaine_santana_minas_gerais-6932
  • elaine_santana_minas_gerais-6914 elaine_santana_minas_gerais-6914
  • elaine_santana_minas_gerais-6918 elaine_santana_minas_gerais-6918
  • elaine_santana_minas_gerais-6907 elaine_santana_minas_gerais-6907
{image.index}/{image.total}

Pequena nota: Estas fotos também foram produzidas na viagem por Minas Gerais, relatada no post anterior. Além do costumeiro registro documental, fotografei a paisagem com um outro olhar, mais abstrato.